terça-feira, 9 de agosto de 2011

A "burra" pede ajuda...

E então que a espertona aqui passou anos, meses e uma gestação meio que inteira dizendo que não ia utilizar chinelos, mãos e afins pra bater na educar a cria.
E então que a cria cresce, tudo lindo, ouvindo e conversando pacas com a mãe.
E então, que essa mesma cria se revolta, acha graça e começa a utilizar da adolescência precoce pra tirar a espertona em questão do sério.
Logo, aquela balela toda do não uso dos chinelos parece meio que distante.
Logo, o uso do chinelo parece não tão apavorante.
Logo, a espertona até arrisca umas ameaças de "bunda quente" pra ver se a cria se toca e volta a ter ouvidos e a boca não tão suja.
É, minhas amigas, ele tem falado palavrões e palavrinhas dispensáveis.
E pior, tem me enfrentado.
Como?
Saca ontem:

- Burra!

- O que foi, meu filho???

- BUR-RA!

- Quem é burra, Isaac?

- Você é BUR-RA, mamãe...

E riu.
(Mesmo já tendo ouvido explicação simples sobre o que é xingar e quais eram as palavrinhas básicas que poderiam ser ouvidas no ambiente escolar.)
E viu alí, pela primeira vez, a ira materna.
Levou castigo.
Chorou. Chorou. E chorou.
E depois de dois minutos já estava falando "burra" pelas minhas costas.
E aí?
Faço o quê?
Utilizo da sabedoria antiga e lasco pimenta na boca do filhote?
Converso mais?
Arrumo castigo que convença?
Alguma dica?
Alguém me ajuda?
Socorro!!!!


27 comentários:

Simone disse...

Ai! Acho que conversa é o que resolve, Carolzita.

Conversa, conversa, conversa... até cansar.

Mas você vai resolver da melhor forma. Tenho certeza.

Bjs!!!!

Grazi, mãe do Principe disse...

Ai, ai , olha é muito dificil viu, aqui estamos com isso tambem , confesso que ja até levantei a mão uma vez, mas depois fico me culpando sabe .

Bom se ajudar a famosa cadeirinha da super nany com as regrinhas na parede tem, ajudado bastante e o incentivo tambem .

Bom boa sorte e se descobrir a receita me passa ta .

bjus

diiirce disse...

Carol, outro dia meu pequeno desatou a cantar um tal de "tira a mão do tu". Deus sabe de onde veio a inspiração. Falei que era feio, contendo a risada, né, mas piorou e ele começou a gritar (sorte que estava em casa).
Simplesmente fingi que ele falava "pão", "carro" e não dei mais bola.
Nunca mais o fato se repetiu.
#fica a minha dica

Jokas da Mi diiirce.wordpress.com

Coisas de mãe disse...

Ai guria QUE SACO ne? Odeio me sentir enfrentada... é horrivel né? Que sensação de impotência!!!!!

concordo com a Simone, conversa!! Se não der, tenta o silêncio. Mostrar que vc ficou chateada? Quems abe?

beijo e boa sorte

Pati

Camila disse...

Ô, dificuldade, viu?! Manuela está terrivel de tudo, eu falo firme e sério com ela, olhando bem no olho. Não sou a favor de palmadinhas e chineladinhas, mas o castigo às vezes rola. Descobri, no entanto, uma coisa muito mais eficiente: a privação de algo que ela goste muito. Por exemplo, vive fantasiada, cada dia quer vestir uma fantasia nova. Aprontou? Pronto, acabou a fantasia, tiro na hora. Funciona que é uma beleza! Acho que é pq faz sentido pra ela, sabe? Ou melhor, é uma forma ela sentir que as ações têm consequências, entende??
Boa sorte por aí...
Bjos,
Camila
www.mamaetaocupada.com.br

Mamma Mini disse...

Eu sou a favor da conversa e do castigo, na hora que acontece. Explicar que isso não pode, que vc não gostou, que é muito feio falar assim com as pessoas especialmente com a mãe e deixar pensar no ocorrido... mas não é fácil, eles estão o tempo todo testando nossos limites e nós estamos o tempo todo sendo desafiadas e aparando as arestas... não é fácil, mas um menino querido com o o Isaac e tão amado com uma super mãe como vc, vai entender e não vai mais repetir. beijoca!

Sara Lima Saraceno disse...

Minha filha fez exatamente a mesma coisa comigo, trocando o 'burra' por 'porca'. A frase toda foi "Então você é uma porca". Imediatamente eu peguei a mão dela e dei uma palmada, firme, única, sem sair do meu controle, e disse "Nunca mais xingue sua mãe". E a levei para o castigo. 2 minutos. Ela chorou, chorou, depois fiz todo o ritual do pedido de desculpas e reconciliação... se fiquei culpada?? MUITO. Mas, naquela hora, ví que tinha que me impor como mãe...
Eu sou totalmente à favor do castigo e da conversa, mas acho que existem momentos (e a gente só sabe na hora) em que temos de ter uma reação imediata. Como diz meu marido, existem coisas que são erradas, mas existem coisas que são inaceitáveis, EX. filho dar na cara da mãe, como tem muitos que vemos por ai.
Educar é dificil, hein?!

Renata disse...

O André está me enfrentando demais também. Ele cospe e me bate quando eu digo alguma coisa que ele não gosta. Eu coloco na hora no cantinho e depois volto pra conversar.
Quando a coisa é muito séria, eu também tiro alguma coisa que ele gosta - não deixo ver filminho à noite, antes de ir deitar ou guardo os heróis e digo que só vai poder brincar no dia seguinte...
Ele sente bastante quando não pode fazer as coisas...por enquanto tem funcionado por aqui.
Boa sorte aí.
beijos

Celi disse...

Carol,
Como é difícil... De repente, começam a fazer e falar coisas que jamais imaginávamos para a idade deles, para o momento.
Felipe de uma hora para outra também trouxe uma palavra nova em alemão para casa. Então, vira e mexe, para toda a situação fala pum (só que em alemão). E aí o que fazer? Ignorar a situação? Fingir que não entendo, já que só converso com ele em português? Impossível.
Além disso, também faz inúmeras coisas como gritar comigo, empurrar o Thomas.
Acho mesmo que a primeira alternativa é conversar, explicar, falar que não pode, argumentar.
Depois dessa se permanecer e aparecer novamente acho que precisamos insistir falando, falando... Mas se não dá certo aí sabe o que costumo fazer... tiro da situação. Peço para ficar no quarto dele ou na sala sozinho. Muitas vezes funciona dizer que não quer do seu lado alguém que fica falando coisas feias, coisas que não gosta.
Depois disso, hahahahaha... Falo que vai perder algo que goste muito, por exemplo: brincar algo que gosta muito, brincar no jardim, enfim, não dá para ignorar a situação. Caso contrário, montam em cima de nós. Testam o limite até..... até.... rs
Beijos.

Karin Petermann disse...

Eita situação difícil... Já leu Quem Ama Educa???

Ele dá boas dicas de castigos e repreensões... não sei se funcionam, mas vale a pena tentar!

Beijos

Karin
www.mamaeecia.com.br

Micheli disse...

Ai, Carol.
Não é fácil essas coisas mesmo! E tenho impressão que nessas horas é mais difícil ser mãe de menino.
Tem que conversar muito mesmo, explicar que é feio falar assim, etc, etc.
Beijos e boa sorte.

Paula Santos disse...

Querida... sem comentários! So sei te dizer que só conversar também não deu certo com a sua sobrinha... Mas, com a Gabi, o que dá certo é ficar de mal dela... Descubra o que dá certo com o Isaac... e boa sorte! Bjs

Mulher Vitrola disse...

Ai, doeu aqui... é tão triste né? A gente fica se perguntando onde errou... mas vendo por outro lado, não acho que é erro seu não... sempre fui muito educada, não fui rebelde, mas já chamei meu pai de bundão. Entende? Ganhei castigo, claro. E lembro até hoje... nunca mais chamei, mas acho que conversar é um boa. Boa sorte e não se sinta mal assim, não! Tudo se resolve :)

Thai disse...

Difícil ser mãe, né? No seu lugar eu não sei o que faria...provavelmente conversaria, apelaria pra um castigo e, se não resolvesse daria uma palmada sim! Quem sabe assim ele não se assusta e não faz mais? Ainda não passei por tal fase..no momento tô enfrentando a dificuldade de deixar minha filha 4 horinhas na escola, ano que vem eu volto a trabalhar e ela ficará período integral 12 horas...ou seja...melhor já ir acostumando..cada dia que passa tenho a certeza de que ser mãe é um desafio diário, cada fase exige um cuidado da gente...boa sorte pra vc, que vc consiga resolver da melhor maneira possível! Bjs

Vanessa e Josiane disse...

Dafícil heim... O Arthur está na fase de bater no rosto e cuspir... começou nesse final de semana e não para mais, cospe para tudo... levou um tapa na boca, chorou muito... e não adiantou, continuou cuspindo... a vó diz que vai botar pimenta... como fez isso comigo qd eu era pequena e diz q resolveu, se continuar, vou botar a pontinha do dedo na pimenta e colocar na boca dele. Se comigo não fez mal (e nem me lembro disso), com ele também não vai fazer.
Passei vergonha com ele fazendo isso para as pessoas... e converson, falo, fica de castigo e não está adiantando...
Ele tem 2 anos e 3 meses.
Leio teu blog sempre, adoro!

bjks
Vanessa

Roteiro Baby disse...

Pôxa! Q pena! A gente cuida com tanto carinho e depois passa por isso ?! Ui! Haja paciência.
Uma amiga muito engraçada da minha mãe, sempre que o filho faz uma mal criação, diz "por isso q eu nunca levantei a noite pra te dar peito! Cresce e nem se lembra do esforço da mãe". Kkk. E sempre q ela me vê me esforçando muito nos cuidados da minha bebê ela diz que vou me arrepender. Kkkk. Nao concordo. Mas tem um fundo de verdade!

Bianca disse...

Eu vou ficar de olho, porque por aqui a coisa também não está fácil.

marianadb disse...

Terrible two total, né?
Se a conversa não tá mais rolando e nem o castigo, eu votaria em ignorá-lo. Ficar sem a atenção da mãe é o fim pra eles.
To aqui torcendo!
bjins
Mari
www.maedarua.com.br

Sarah disse...

Carolzita, dá um abraço. Bento não diz essas coisas (ainda??), mas contesta, joga coisas no chão e às vezes bate. Quero morrer! Dá-lhe repreensão, falar na altura dele, falar brava, castigo. Nem sempre funciona e logo ele está rindo e fazendo outra vez. Help help!!
Vou ler os comentários pra ver se alguém deu alguma luz, mas sou solidária viu??
bjos!

Luciana - Descobertas disse...

fiz que nem a Sarah, fui ler todos os comentários para ver as idéias... mas a 1ª coisa que me veio a caebça foi: "chama a SUPER NANY!"

mas falando sério, Pedro, só tem 1 ano e 3 meses e faz tempo percebemos um gênio difícil.. aqui a gene vai seguir a linha de ignorar 1º vamos ver até onde vai!

bjs

Flavia disse...

Caraca... que difícil...

Anne disse...

1000 abraços
Respira fundo, conta até 1000
#chinelofeelings - só feelings.
Acredito na privação dos favoritos, mencionada pela Camila. Um tanto de abuso de autoridade - eu morria de medo da minha mãe, mas ela nunca me bateu. Era um respeito fora do comum.
Nao sei oq dizer... Respira, respira!!!

Aline, mãe da "Malia" disse...

Às vezes, uns tapinhas resolvem, o problema é que eles não podem "se acostumar" com esses tapinhas... É, minha amiga, já não se fazem mais filhos como antigamente. Bjs e muita paciência e sabedoria pra vc.

Mariana - viciados em colo disse...

conversa, conversa, conversa...

... e vai tirando umas coisas que ele goste, com conexão com o ato ruim...

... se sou burra não vou conversar com você, porque você é muito inteligente e não vou conseguir te entender... saca?

... combina antes: não me chame de burra, que eu não gosto e se vc me chamar, vou ficar sem falar com você...

... quando não tem uma lógica possível, corta tv, brincadeira na rua, video game, o filme... a historinha de dormir, sei lá... o que ele goste...

... faz aqueles quadros supernany e vai acumulando caverinhas a cada xingamento... aí ele perde o programa do final de semama... deixa em casa mesmo...

só não bate nele, amiga!


quando alice estava nesta fase, li este livro e me ajudou. achei um pdf, mas vale ler todo: http://www.americanas.com.br/produtos/manuais/2811996.pdf


beijoca

Nathi disse...

Olá!
Aqui tem o cantinho de pensar na atitude. Hoje resolve! Ela está com 3 anos e meio.
O negócio flor, é ter paciência e insistir, se não andar na linha, vai para o cantinho de pensar (SEMPRE).
Eles aprendem.
Já bati e me arrependi, não faço mais. Educar é mesmo uma tarefa muito difícil.
Força!
Beijinhos*

Bianca disse...

Afeee Carol, vou te falar que é difícil mesmo esse tipo de coisa, mas gostei do que a Mariana do Viciados falou, eu uso mais ou menos o mesmo argumento quando ouço que sou "chata" - que mães chatas não deixam fazer nada, então vamos começar a NÃO jogar video game, enfim... Explica mesmo que vc fica chateada, bater de frente só piora, aí parece que tb temos 3 anos....
Enfim, boa sorte.
beijos

Chris Ferreira disse...

OI Carol,
eu já usei várias táticas. Procuro observar a emoção envolvida no momento.

Algumas vezes que a Sofia me xingou ela estava com raiva e eu mostrei que ela me magoou.
Já falou: - eu te odeio.
e eu respondi: - e eu te amo e fiquei triste com isso que você falou.

Algumas vezes ela está no clima da brincadeira, me desafian, aí uso o mesmo.
- Você é burra.
e eu respondo:
- Ai que legal! Burrinho é um bichiho tão lindo, tão fofo. Adorei.

Algumas vezes ela está provocando mesmo, querendo me tirar do sério. Aí ignoro.

Depois que passa a fase eu converso, converso, converso muito.

Tá certo que tem horas que não estou para psicologia e me irrito. Dou brinca, coloco de castigo, tiro alguma coisa.

é difícil mas com o tempo passa. Aliás, passa não, agora na adolecência da Ana Luiza a minha luta é com o Que saco!
Outro dia disse que eu sou um saco.
respodi:
- ótimo, se eu sou um saco estou liberada de te levar no Rock in Rio. Você não vai querer ir com uma pessoa que é um sac, né?

Rapidinho veio um pedido de desculpas.

beijos
Chris
http://inventandocomamamae.blogspot.com/

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails