terça-feira, 22 de março de 2016

Bruxelas

Isaac faz uma vista rápida a avó onde a TV notíciava os atentados em Bruxelas.
De longe observei ele atento às legendas e imagens.
Fiquei alí, só me preparando para o zilhão de perguntas que brotariam a seguir.
Ele ficou quieto, um tanto chateado, nem esboçou dúvidas sobre o ocorrido.
Ao entrar no carro...
(Ah, o carro, nosso ninho psico-paradoxo-estranho de conversas mil)

- mãe, o que é Bruxelas?

- Bruxelas é uma cidade que fica num país chamado Bélgica.

- couve de Bruxelas?

- também.

Silêncio. Danou-se.

- mãe, eu acho que eu tenho DNA de inseto.

- sério? Pq?

- então, a mosca não vai direto na luz da televisão?

- sim.

- isso! Eu não conseguia tirar os olhos da TV e ver aquelas coisas que aconteceram em Bruxelas.

Meu coração moeu-se.
Realidade dura e feia essa.
Inexplicável.
Imagina então encontrar didática para falar de tal assunto?
Eu?
Fiquei alí.
Olhei bem nos olhos dele e perguntei se ele tinha entendido bem o que tinha acontecido.
Isaac fez a cara mais triste do mundo.
Não me deixou dúvidas sobre o seu sim.

- também ha esse tipo de vilão hoje no mundo, filho.

- os que explodem?

- sim. E como vc viu, no meio de um monte de gente inocente.

Um suspiro fundo.
Uma decepção com o real.

- mama, então eu acho que deviam passar essas notícias ruins só em "bruxelês", aí a gente não ia entender.

Faz sentido.
Às vezes, muito.


terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

O tempo (ou falando da Mari e da Sabrina)

Como diria minha amiga Mariangela, de olhos esbugalhados e uma expressão de terror que só me lembro ter visto nela, já é março.
O tempo - não canso de repetir - é um fanfarrão apressado e sem pudor.

Não sei bem como cheguei nesse post, mas vamos lá, tentar organizar as ideias.

Lembrei da Mari esse dias, meio sem muito motivo.
Colega de faculdade, de trabalho, de vida, mesmo que de longe.

O tempo passou e cada uma encontrou seu cada um.
E com o pouco tempo que nos resta dos dias tão curtos, vivas para as tecnologias.
Assim a gente se fala, e reclama do tempo.

Ele, sempre ele.
De novo e de novo.
Reclamar dele é perda de tempo, eu sei.
Mas fazer o quê?

Enfim, Mari é das poucas criaturas que carrego comigo. Fez parte tão importante nessa vida aqui que sempre resgato algo dela.
E se sinto falta, cobro.
Logo, lembrar da Mariangela (e ó, perdoe este corretor que tira os acentos), me faz lembrar do tempo.
Do peso que o tempo tem.
Ou não.
Confuso?
Sempre.

Me faz lembrar que sou mãe agora, depois de tantos anos.
Tempo correndo, Isaac já é menino.
Aproveita o próprio tempo.
Mede, conta, sente a falta.
Se organiza.

Enquanto a Mari ria da minha barriga, imaginava Isaac e contava as semanas comigo, o tempo parecia parado.
E falar dela com Isaac hoje é aquele "leeeeeembra?", enquanto ele se agarra a pequena almofada com a oração do anjo da guarda. Aquela que a Mari deu.

E a minha tia querida, mãe da Mari, mãe daquele monte de mulher, era dona de uma loja de artigos infantis, cujo nome era o mesmo de outra criatura que carrego.

A loja, pausa para falar do tempo, era aquela em que eu me divertia na vitrine de natal, quando eu tinha a idade do Isaac.

A Sabrina.
Conheço faz tanto tempo que já cálculo em encarnações. Não em anos.
Aí, viajante que sou, me entrego mais uma vez ao tempo, teclando agora louca, enquanto mito o relógio.
Já já não dá mais tempo e esse post fica rascunhado.

E a Sá, tem o Romeo, que - puta vida! - já canta os parabéns em dois dígitos.
Loucura?
Nada.
Só o tempo.

E falar do Romeu-lindo-da-tia me volta ao Isaac.
Né?!?!
Sete anos, batendo a cabeça no meu peito, rindo, falando que logo logo estará maior do que eu.
Que graça.
Que rápido.
Ou não.

Então, para mim é claro que o tempo - não digo as horas, minutos e segundos - anda, corre, galopa, teletransporta no tanto que a gente permite.
Ele é implacável às vezes sim.
Por demorar ou atropelar, tanto faz.

Maternidade, idade, amizade, dia ou madrugada.
Espera na salinha, na porta da escola, no trabalho.
Curto ou arrastado.
Analisar o tempo, e a gente dentro dele.
Um benefício por ser sapiens.

ensinar sobre o tempo...
Isso já é outra história.
Quem sabe pra amanhã.


sábado, 13 de fevereiro de 2016

Pequenas nerdices, religião e praticidade

titulo de post mais controverso não há, eu sei.
Mas é isso mesmo.
Sem preconceito algum digo que tenho um filho nerd, ou geek, sei lá.
Ainda me familiarizo com toda a nomenclatura.
No final das contas, Isaac é daquelas pessoas que curtem aquilo que o povo chama de coisa de nerd.
Troca qualquer programa por um filme da marvel, tem uma infinidade de livros sobre criaturas, se interessa mais pelo C3PO do que por mim, tem dias, confesso.

Enfim,
Acontece que depois que apresentamos Marty McFly e Doc ao pequeno, ele arruma uma maneira de enfiar o Delorean onde consegue.
Explico.

Viagens no tempo, comparações com o passado, previsões pro futuro, experiências e imaginação a mil.
Coisa de criança e mãe de criança.
A gente se entrega.
Brinca, curte, tira e volta os pés no chão.
Como se deve.

E aí, que outro dia, Isaac - que diga-se de passagem está formando suas ideias sobre religião - suspira, e expõe a ideia:

- mãe, eu acredito que Jesus já sabe tudo o que vai acontecer com a gente.

- é filho? Vc quer saber no que eu acredito?

- lógico!

(Adolescência, não nos roube isso, poooooor favor)

- acredito que Jesus e o papai dele tem algo planejado pra gente sim, mas eles nos deram um poder.

- mutante?

- mais ou menos. Eles nos deram o poder de escolher.

- só?????

- então, só. Mas olha, a gente aprende muitas coisas, o que é certo e o que é errado, mas muitas vezes fazemos o errado.

- como assim?

- hummmm... Acho que quase todo mundo sabe que fumar faz mal, certo? Mas mesmo assim tem gente que vai lá, compra o cigarro e fuma.

- Jesus ensinou que fumar faz mal?

- de certa forma, ensinou que a gente deve cuidar da nossa saúde.

- aaaa... Mas ele sabe do nosso futuro.

- sabe?

- saaaabe. E a cabeça de Jesus é tipo um Delorean da nossa vida.

Explodi de orgulho, gente, explodi.

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

E chegou o dia

Então....
Antes eu ficava louca pensando em quando Isaac crescesse e quisesse começar a ler esses escritos aqui.
Nunca me permiti censurar.
Meu filho, vive comigo, sabe bem das coisas que faço e falo.
Certeza que ia reprovar uma montanha de coisas, se envergonhar com tantas outras.
Ok.

O tempo passou, a maternidade mudou pra mim, em mim, me mudou... esse blog aqui ficou um tanto abandonado... E tal....
E o dia chegou.

Antes de eu falar de hoje, preciso contar que sexta-feira tive conversa super produtiva com colega-pai-de-menino-de-dez-anos.
A gente falando das crias informadas e informatizadas, da tecnologia, desse mundo maluco.
E ele me disse que o filho quer ser YouTuber quando crescer (ou daqui dois anos, quem sabe).
Como toda mãe, curti horrores a conversa durante bom tempo, enquanto ela passeava pelos Meus pensamentos.

Enquanto isso, eu e Isaac Passamos o feriado montando um castelo de lego.
Lindo, enorme, cheio de criatividade e detalhes.
Hoje ele acordou agitado, contemplou o castelo, se orgulhou e deixou a coisa fluir:

- mama!!!! Tira uma foto! Foto boa hein?!?!

- Ok. Assim???

- isso. Agora coloca no Safari.

- oi?!?!

- isso mãe, na internet ó!

(Sua velhota lerda e desatualizada - dava pra ler nas entrelinhas)

- vc quer seu castelo na internet?

- sim. Na página do Google de "castelos legais".

Fiquei ali, parada, sei lá se admirando o momento sei lá se mergulhando na doideira ou chorando por dentro.

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

as sete (e muitas mais) faces do ser humano de sete anos

Esse é um apanhado do todo dia lá em casa.
De como é ser mãe, amiga, colega de quarto, de brincadeira, de zueira e de briga.
Esse é um tanto do Isaac, e de mim, pq não?!?!

O educado:
Assiste indignado o narrador de um canal infantil que usa a frase "sai da frente" para anunciar o desenho que vai começar.
- nossa! que moço mais mal educado? Ele não sabe que se diz "da licença"?

O consciente
Assusta ao ver a máquina de lavar roupa completando um dos seus ciclos.
- mãe!!!! Você sabe bem que está acabando com a água do planeta, né?

O fofo possessivo
Me abraça forte e repete um milhão de vezes:
- vc é minha mãe, minha mãe, minha mãe, só minha, minha minha.

Só que não
Me olha bem nos olhos e metralha:
- sai, sai, você atrapalha minha brincadeira.

O saudável
Abre o saquinho de mini pizzas e fica horrorizado:
- você tá de brincadeira né? Cadê tomate? Isso aqui é só um pãozinho redondo com queijo!

O carente
- vc não me ama! O iron não me ama! Ninguém me ama!!!! Como é que alguém vive assim?

O nerd
- mãe, mae, acorda!
- hummmmm
- mãe, acorda! É sério!
- oi filho.
- como é mesmo a música do darth vader?

O controverso
- posso escolher? Então eu quero pizza de brócolis com rúcula.
- só isso?
- só. Mas não esquece do bacon.

O safadinho
- ai To cansado.
- muito?
- ai ai ai ai (bem tipo maria do bairro)
- mas tá com dor também?
- ai ai ai ai ai (bem tipo marimar)
- onde?
- ai, aqui ó, nos pés.
- aqui?
- é. Aproveita e faz uma massagem.

O polêmico
- Isaac? Quem vc acha que manda em casa?
- a mamãe, ela manda em tudo aqui.

O sedentário
- vamos! Vamos pedalar!
- aaaaaaaaa....
- vamos Isaac! Faz bem pra sua saúde! E é super divertido!
- divertido? Onde é divertido fazer força e ficar com dor nas pernas?

O negociante
- Ok. Vamos combinar. Você pedala x minutos e ganha x minutos de jogo no tablet.
- tá, mas se eu pedalar mais eu vou poder jogar de graça?

O bagre ensaboado
- mãe, eu fiquei na cor amarela hoje na escola (todo miando).
- a é? E o que houve?
- olha, me escuta primeiro, eu não sabia que conversar enquanto um outro amigo estava apresentando seu trabalho era sinal que eu não gostava dele.
- mesmo assim, a professora está certa. Não é legal atrapalhar o colega.
- é, mas eu gosto dele! (Faz a vítima)
- sei.
- mas eu gosto de conversar tbm, oras. Ela não entende?????

O dramático
- vamos filho! Já já vc tem pilates!
- pilates????? (Lagrimazinha no canto)
- sim, pilates.
- pq? Pq? Pq???????

O prático
- vamos! Vc tem que terminar todos os exercícios. Depois vc escolhe o que fazer.
- sério?
- sério.
- é isso. Vc não me ama mais.

O docinho de coco da mamãe.
- e aí Isaac? Tudo lindo na escola?
- tudo, mas faltou uma coisa.
- o que?
- vc, mãe, faltou vc.

O surreal
- vem aqui mãe! Deita e levanta a blusa!
- pra quê meu filho????
- vou tirar a tampa do seu umbigo e me enfiar aí de novo.

O impaciente
- calma Isaac. Precisa ter paciência.
- paciência? Pra que serve paciência?
E antes de eu concluir um movimento respiratório completo...
- pra que serve? Pra quê? Pra que serve? Hein? A paciência? Ela serve pra que? Oi? Quem precisa de paciência? Que paciência? Hein? Manhê? Vc tem paciência? Que paciência? Pra quê?

O saudoso-canibal
- mãe, eu estou com tanta saudade que engolia você e guardava aqui dentro.

O canibal-canibal
- estou com fome. Mas tanta fome! Vem cá!
(E faz aquele mundaréu de onomatopeias fingindo que está me mastigando)

O brontossauro
- mãe! Eu não comi lanche na escola hoje. Agora, se eu pudesse comia uma árvore. Mas aquela árvore gigante, lá da avenida, aquela enorme. Bem alta.

Na TPA (tensão pré-alguma coisa que ainda não descobri)
-humpf....
- tudo bem filho?
- afffffffuuuuu....
- Isaac?
Ele me olha torto, bem torto, levanta e vai até o lugar mais longe que consegue, se enfia num gibi e só sai quando está morrendo de fome.

O super sincero
- mãe, não vá se ofender, mas, com essas unhas compridas, vc está parecendo uma BRUXA.
Ao ver minha decepção ele manda:
- ué, eu tinha que falar. Tinha!






LinkWithin

Related Posts with Thumbnails