domingo, 22 de maio de 2016

Vídeo game, network e realidade

Sim, cara colega,
Abraça aqui se seu filho já entrou pro clubinho dos loucos por vídeo games.
(não que eu também não seja sócia, mas no filho da gente sempre dói mais, né?)
Mas peraí!
Que clubinho?!?!

Se você então agora faz parte de outro grupo, vem comigo, daquela época em que a gente tinha clubinhos com pessoas de verdade, se encontrava, pedia pra mãe pra fazer um telefonema, inventava código, peça de teatro e até jogava vídeo game... Abraça mais forte, deu saudade.

Desce Carolina e voltemos ao vídeo game versão 2.0.

Acontece que eu ando implicando com essa realidade atual.
Isaac adora jogar.
Limitamos aos finais de semana, os quais ele espera cheio de vontade.

(que ele nunca descubra que eu e o tio dele jogávamos de madrugada, durante a semana mesmo, escondidos da vovó)

E eu vivo instigando para que ele aproveite o pequeno vício de maneira positiva.

- Isaac, que amigo seu joga Lego Marvel?

- pega dicas com ele!

- o fulano já passou dessa fase?

- destravou tal personagem?

E, na grande maioria a resposta é um não sei, daqueles com tom "afffffff" que acho que eu mesmo ensinei à cria.

Outro dia mesmo questionei - durante uma pedreira de fase cheia de objetivos inatingíveis - se o amigo não tinha dicas para dar:

- filho, o amigo não joga esse? Liga pra ele! Convida pra vir aqui jogar! Vai ser divertido.

Mas aí tomei uma facada no peito:

- ah, mãe, coloca no Google.

Não desisto né?!?

- ah, Isaac, é muito mais legal a gente conversar com os outros. Ele pode ter dicas bem legais!

Virada de olho e paciência quase no game over.

- ah! Mãe! Coloca aí no site tal que tem tudo!

Lembrando dos meus clubinhos e da sala da minha mãe cheia de meninos trocando revistas e dicas dos jogos, cai na minha própria armadilha:

- então entra aí no live, pergunta pro amigo da escola, certeza que ele tá on line.

Ele?
Me olhou de canto de olho com um sorriso irônico.
Daqueles.

sexta-feira, 20 de maio de 2016

Religião: entre game overs e reencarnação

Eu ainda não sei dizer a vocês se somos sem vergonhas ou bem abertos quando o assunto é vida-morte-força-maior.
Acontece que acreditamos em Deus, o Papai do Céu.
De diversas maneiras.
Outro dia mesmo disse em voz alta que não me sentia evoluída para evoluir em religião alguma.
E pra dormir com um barulho desse, levando em consideração todas as perguntas que cabem a um ser humano de 7 anos, não é tarefa fácil.
Mas a gente vê que a fé não costuma faiá aqui em casa quando participa da seguinte conversa:

- Mãe, esse negócio de onde a gente vai depois que morre é engraçado.

(a mãe aqui pensa pensa pensa mas não perde a mania)

- Engraçado? Pois é, Isaac, as vezes também acho. Mas como assim?

- Então, eu estava pensando aqui que a gente deveria passar por um portal onde a nossa barra de vida ficaria infinita.

- Em que momento da vida?

- Assim, depois do game over. A barra de vida ia ser infinita, com muitos corações.

PAUSA

Se seu filho ainda não se entregou aos jogos LEGO, eu te explico: cada coraçãozinho da barra aguenta umas três porradas da vida eletrônica... mas isso é mais ou menos assim desde que o mundo é mundo, então né...

DESPAUSA

- E aí? a gente ia viver no game over?

- Não! depois de um tempo a gente nascia de novo. Pode ser no "formato" de outra pessoa.

- Posso ser um animal????

- Não sei.

- E a Galinha Pintadinha? Posso???? (ele odeia quando retomo a super infância embalada aos top hits da galinácea)

- Mãe! É sério!

ploft.

(recolham os pedaços da mãe ali, que quase desintegrou com tanta maturidade)

...

terça-feira, 22 de março de 2016

Bruxelas

Isaac faz uma vista rápida a avó onde a TV notíciava os atentados em Bruxelas.
De longe observei ele atento às legendas e imagens.
Fiquei alí, só me preparando para o zilhão de perguntas que brotariam a seguir.
Ele ficou quieto, um tanto chateado, nem esboçou dúvidas sobre o ocorrido.
Ao entrar no carro...
(Ah, o carro, nosso ninho psico-paradoxo-estranho de conversas mil)

- mãe, o que é Bruxelas?

- Bruxelas é uma cidade que fica num país chamado Bélgica.

- couve de Bruxelas?

- também.

Silêncio. Danou-se.

- mãe, eu acho que eu tenho DNA de inseto.

- sério? Pq?

- então, a mosca não vai direto na luz da televisão?

- sim.

- isso! Eu não conseguia tirar os olhos da TV e ver aquelas coisas que aconteceram em Bruxelas.

Meu coração moeu-se.
Realidade dura e feia essa.
Inexplicável.
Imagina então encontrar didática para falar de tal assunto?
Eu?
Fiquei alí.
Olhei bem nos olhos dele e perguntei se ele tinha entendido bem o que tinha acontecido.
Isaac fez a cara mais triste do mundo.
Não me deixou dúvidas sobre o seu sim.

- também ha esse tipo de vilão hoje no mundo, filho.

- os que explodem?

- sim. E como vc viu, no meio de um monte de gente inocente.

Um suspiro fundo.
Uma decepção com o real.

- mama, então eu acho que deviam passar essas notícias ruins só em "bruxelês", aí a gente não ia entender.

Faz sentido.
Às vezes, muito.


terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

O tempo (ou falando da Mari e da Sabrina)

Como diria minha amiga Mariangela, de olhos esbugalhados e uma expressão de terror que só me lembro ter visto nela, já é março.
O tempo - não canso de repetir - é um fanfarrão apressado e sem pudor.

Não sei bem como cheguei nesse post, mas vamos lá, tentar organizar as ideias.

Lembrei da Mari esse dias, meio sem muito motivo.
Colega de faculdade, de trabalho, de vida, mesmo que de longe.

O tempo passou e cada uma encontrou seu cada um.
E com o pouco tempo que nos resta dos dias tão curtos, vivas para as tecnologias.
Assim a gente se fala, e reclama do tempo.

Ele, sempre ele.
De novo e de novo.
Reclamar dele é perda de tempo, eu sei.
Mas fazer o quê?

Enfim, Mari é das poucas criaturas que carrego comigo. Fez parte tão importante nessa vida aqui que sempre resgato algo dela.
E se sinto falta, cobro.
Logo, lembrar da Mariangela (e ó, perdoe este corretor que tira os acentos), me faz lembrar do tempo.
Do peso que o tempo tem.
Ou não.
Confuso?
Sempre.

Me faz lembrar que sou mãe agora, depois de tantos anos.
Tempo correndo, Isaac já é menino.
Aproveita o próprio tempo.
Mede, conta, sente a falta.
Se organiza.

Enquanto a Mari ria da minha barriga, imaginava Isaac e contava as semanas comigo, o tempo parecia parado.
E falar dela com Isaac hoje é aquele "leeeeeembra?", enquanto ele se agarra a pequena almofada com a oração do anjo da guarda. Aquela que a Mari deu.

E a minha tia querida, mãe da Mari, mãe daquele monte de mulher, era dona de uma loja de artigos infantis, cujo nome era o mesmo de outra criatura que carrego.

A loja, pausa para falar do tempo, era aquela em que eu me divertia na vitrine de natal, quando eu tinha a idade do Isaac.

A Sabrina.
Conheço faz tanto tempo que já cálculo em encarnações. Não em anos.
Aí, viajante que sou, me entrego mais uma vez ao tempo, teclando agora louca, enquanto mito o relógio.
Já já não dá mais tempo e esse post fica rascunhado.

E a Sá, tem o Romeo, que - puta vida! - já canta os parabéns em dois dígitos.
Loucura?
Nada.
Só o tempo.

E falar do Romeu-lindo-da-tia me volta ao Isaac.
Né?!?!
Sete anos, batendo a cabeça no meu peito, rindo, falando que logo logo estará maior do que eu.
Que graça.
Que rápido.
Ou não.

Então, para mim é claro que o tempo - não digo as horas, minutos e segundos - anda, corre, galopa, teletransporta no tanto que a gente permite.
Ele é implacável às vezes sim.
Por demorar ou atropelar, tanto faz.

Maternidade, idade, amizade, dia ou madrugada.
Espera na salinha, na porta da escola, no trabalho.
Curto ou arrastado.
Analisar o tempo, e a gente dentro dele.
Um benefício por ser sapiens.

ensinar sobre o tempo...
Isso já é outra história.
Quem sabe pra amanhã.


sábado, 13 de fevereiro de 2016

Pequenas nerdices, religião e praticidade

titulo de post mais controverso não há, eu sei.
Mas é isso mesmo.
Sem preconceito algum digo que tenho um filho nerd, ou geek, sei lá.
Ainda me familiarizo com toda a nomenclatura.
No final das contas, Isaac é daquelas pessoas que curtem aquilo que o povo chama de coisa de nerd.
Troca qualquer programa por um filme da marvel, tem uma infinidade de livros sobre criaturas, se interessa mais pelo C3PO do que por mim, tem dias, confesso.

Enfim,
Acontece que depois que apresentamos Marty McFly e Doc ao pequeno, ele arruma uma maneira de enfiar o Delorean onde consegue.
Explico.

Viagens no tempo, comparações com o passado, previsões pro futuro, experiências e imaginação a mil.
Coisa de criança e mãe de criança.
A gente se entrega.
Brinca, curte, tira e volta os pés no chão.
Como se deve.

E aí, que outro dia, Isaac - que diga-se de passagem está formando suas ideias sobre religião - suspira, e expõe a ideia:

- mãe, eu acredito que Jesus já sabe tudo o que vai acontecer com a gente.

- é filho? Vc quer saber no que eu acredito?

- lógico!

(Adolescência, não nos roube isso, poooooor favor)

- acredito que Jesus e o papai dele tem algo planejado pra gente sim, mas eles nos deram um poder.

- mutante?

- mais ou menos. Eles nos deram o poder de escolher.

- só?????

- então, só. Mas olha, a gente aprende muitas coisas, o que é certo e o que é errado, mas muitas vezes fazemos o errado.

- como assim?

- hummmm... Acho que quase todo mundo sabe que fumar faz mal, certo? Mas mesmo assim tem gente que vai lá, compra o cigarro e fuma.

- Jesus ensinou que fumar faz mal?

- de certa forma, ensinou que a gente deve cuidar da nossa saúde.

- aaaa... Mas ele sabe do nosso futuro.

- sabe?

- saaaabe. E a cabeça de Jesus é tipo um Delorean da nossa vida.

Explodi de orgulho, gente, explodi.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails