terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

Sobre sexo e reprodução - parte 2

E a conversinha apareceu de novo.
Mas desta vez não tive a sorte de contar com os fofos pinguiNHOs pra me ajudar nos exemplos.
A pergunta veio na lata.
Bem como eu achei que viria.
Mas por mais que a gente espere e saiba que ela vem, sempre bate aquele "deu merda" acompanhado de uma gaguejada sem graça.
E eu não escapei.
Só que também não me permiti amarelar.

- Mãe! Como é que os bebês vão parar alí dentro da barriga.

Ui! - veio uma voz estranha de dentro de mim.
Respirei fundo e pensei comigo mesma que tudo bem, nada de pânico.
Olhei no retrovisor e vi o menininho alí, de olhar curioso e já sem paciência pela demora na resposta.

- Como mãe? Como?

- Seguintes, Isaac, o papai e a mamãe namoram, bem namoradinho. Aí o papai coloca uma sementinha dentro da barriga da mamãe.

- E essa sementinha aí já é um bebê?

- Não. Para virar um bebê a sementinha precisa encontrar um ovinho.

- Ovinho de codorna?

- Não filho. No caso dos seres humanos, é ovinho de gente mesmo.

Olhei pelo retrovisor mais uma vez e não vi meu filho. Vi um ponto de interrogação bem seguro pelo cinto de três pontas da cadeirinha.

- Deixa eu explicar, Isaac. O papai é uma fábrica de sementinhas. A mamãe é uma fábrica de ovinhos. Quando os dois namoram, a sementinha tem que encontrar o ovinho dentro da barriga da mamãe. Pra aí sim  começarem a formar um bebezinho.

- Que primeiro é bem pequenininho, né?

- É.

- Hummmm....

- E você entendeu, filho?

Isaac soltou uma risadinha toda besta. Até achei que ele ia virar pra mim e me lascar com um "isso então é sexo, mamãe?", mas não.
A surpresa foi ainda maior.

- Achou engraçado esse negócio de semente e ovo, filho?

- Nãããão... É que eu pensei que o papai do céu mandava um raio lá de cima bem no meio da cabeça da mamãe. Aí o bebê ia morar dentro dela. Assim, pelo raio.

- E pela cabeça?

- É, ué. Pela cabeça.

- Interessante filho, mas acho mais prático que a sementinha entre por outro lugar.

Aí me dei conta da cilada que me meti.
Como assim falar de "outro lugar", Carolina?!?!?!
Então esperei pelos segundos mais longos de toda a eternidade.
Já imaginando quantas perguntas Isaac iria fazer sobre o tal outro lugar.
E logo ele suspira e abre a boca:

- Mas e o papai do céu nisso tudo? Achei que ele ajudasse de algum jeito.

Senti alí a decepção religiosa, e me aventurei em outro assunto polêmico:

- Ele ajuda sim, filho, mas desse negócio de plantar sementinha ele não entende muito não. Até onde eu sei, né?

- Hummm... então aumenta o som que eu gosto muito dessa música.

...


6 comentários:

Dani Brito disse...

Carolitcha vcs dois juntos conseguem ser ainda mais incríveis.

Acho que se Deus entrar nessa história é justamente por livrar-nos do raio, amém.

Beijo

Lulli Lucena disse...

Deus ajuda sim de alguma forma...quem dá as sementes perfeitas e saudáveis assim como os ovos é Ele.E permite que ela cresca,e se desenvolva.

Muito figura o Isaac.

Sarah disse...

Hahahahahhaha!! Adorei o final! Chega de questões complexas mãe, quero ouvir música!!
bjos

Maria Thereza Pinel disse...

Ah!!! Bem como eu explicaria!
Eu sempre falo mais do que devo quando vou explicar essas coisas para os meus irmãozinhos! Ainda bem que já to treinando pra Lara, porque do jeito que ela gosta de perguntar "puquê mãããe?" já com 2 anos, eu vou acabar colocando "Papai do Céu" na resposta!hahahahahahahaha

Letícia Volponi disse...

ui, que perigo! Carol, nessas horas, siga o lema do Saramago: não mais respondi porque não mais me perguntaram!

Michele e Claudia disse...

Simplesmente adoro seus textos! Muito engraçados e traduz exatamente a inocência surreal das crianças! Ainda bem que existe uma fase de nossa vida que somos assim! Em tantos "por ques" ficamos sem saber o que fazer não é? O jeito é usar a mesma sinceridade...
Beijos,
Michele
http://www.lambendoaminhacria.blogspot.com.br/

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails