segunda-feira, 31 de maio de 2010

Queria ser o Mágico de Oz

Essa segunda-feira promete. E como.
Tirando a nuvenzinha cinza sobre essa cabeça pensante, hoje tive contato com a história da família Santa Clara.
Devo ter chegado um pouco atrasada (até porque fujo de microcomputadores durante o final de semana), mas já vi que a história (triste e real) já está passeando por vários blogs que sigo.
A história da família é contada tim-tim por tim-tim no blog Eneaotil, o qual tive o prazer de conhecer através do Piscar de Olhos, outro que adoro e recomendo, e também toca no assunto.
Aí me fez pensar (mais ainda do que já tenho feito) no verdadeiro significado da palavra FAMÍLIA.
Do SER família, CONSTITUIR família, MANTER uma família, CONVIVER com a família, DAR BASES a e EDUCAR seres para que formem uma família, RESPEITAR a sua e as outras e a que você ainda vai fazer parte.
A família Santa Clara, como tantos outros casos que envolvem a BURROcracia governante, nos faz revoltar e indignar. Concordo e me sinto exatamente assim.
Separar irmãos, pais, filhos só porque não atendem a um parágrafo ou cláusula, mesmo que o resultado seja positivo é, no mínimo, inexplicável.
Simples. Inexplicável, pois a explicação no caso, não apresenta uma solução cabível, justa.
Esses duros parágrafos e cláusulas e leis e protocolos deveriam ser flexíveis e remodelados diante da necessidade de cada lugar, de cada tempo (até porque a desculpa da onda é a crise econômica, como já foi o aquecimento global, a segurança pública, a previdência, e por aí vai).
Não tenho experiência nem autoridade para discutir o que está certo ou errado no sistema de governo. Tenho o direito de falar sobre isso como qualquer cidadão que contribui, habita, integra ativamente uma nação (mesmo que seja a “República das Bananas”). Tenho o dever de cobrar quando algo tão absurdo acontece e sabem por quê?
Porque eu estou criando um cidadão. Estou elencando exemplos e ensinando a ele como lidar com a vida, com o sistema de governo, com o certo, com o errado, com as frustrações, com diretos, com deveres, com a lei da ação e reação, com a sociedade, com limites, com cuidados. E muitos outros coms, uma lista sem fim, diga-se de passagem.
Educar não é tarefa fácil, ainda mais com esse monte de informação e acontecimento descabido.
Imagino que o casal Santa Clara o tenha conseguido fazer com muitas crianças e adolescentes. Tenha contribuído positivamente com a formação de novos cidadãos, coisa que pais que espancam, abusam, drogam, abandonam não fazem. Coisas que seres, como a digníssima promotora Vera Lúcia Sant’Anna Gomes, não fazem, nem de longe.
E é por isso, que em meio a tantos pensamentos, a cabeça borbulhando, a indignidade a flor da pele, eu desejo fortemente hoje ser o Mágico de Oz.
Pra sair distribuindo cérebros e corações por aí. O dia todo.

Boa semana.

Conheça mais:

sexta-feira, 28 de maio de 2010

Tô cansanda, sim. E daí? Eu nem ligo.

Mudou o tempo (isso, de novo). Alergias atacadas em casa, muuuitas (muitas mesmo) noites mal dormidas, pequeno num chororô só, final de mês, crises de enxaqueca.
Todo dia olho pro espelho, com aquela cara de urso panda, e repito pra mim mesma que além de fazer parte do processo maternidade, essas fases sempre passam. São testes de vida.
Essa noite, por exemplo, Isaac acordou de 1 em 1 hora. E eu levantei as 5h30 pra trabalhar.
Tomei banho, me arrumei e olhei pro espelho (o mesmo panda), e tive a nítida sensação de que sou uma pessoa abençoada. Tenho uma família linda, condições pra tratar a enxaqueca, uma casa bacana pra cuidar, um emprego.
Coloquei uma calça jeans nova, jóia, descontaço em promoção super (um número a menos no manequim Uhu!!!!). Me meti num saltinho básico. Caprichei.
Saí da redação ontem sabendo que o hoje dia ia ser mais que longo (3 coletivas no mesmo horário), mas não tô abatida, não me entreguei. Nem vou, ouviu bem?!?!
Então, com essa força que brotou em mim, junto com alguns bocejos, claro, lembrei que já passei por fases que, como essa, me obrigaram a repetir pra mim mesma que a vida é boa (e é sim, muto) e que há um lado positivo em todo tropeço ou dificuldade.
E olha só como começa o texto...
...

Mamãe tem fases como a lua. Relato de julho de 2009

A vida é boa. E nesses últimos 11 meses, em meio a medos, dúvidas e alegrias venho descobrindo que ela é boa mesmo.
To numas de mãe babona, mas também de me enxergar como mãe, no geral, não só aquele ser orgulhoso e sentimental. Essa noite demorei a pegar no sono e fiquei fazendo um balanço dessa vida nova que o Isaac trouxe pra mim, pra minha casa.
E não é de assustar não, viu... é de prestar atenção e ver como realmente somos seres extraordinários, flexíveis. Não só as mães, mas pais, avós, tios, amigos... Uma criança muda muito em todos que participam do seu desenvolvimento, e Graças a Deus, meu filhote é uma criança feliz e tem agido positivamente nesse mundão que nos rodeia.
Eu vou aprendendo, com ele, com o maridão, com a sogra, a mãe, a madrinha... vou aprendendo que, apesar da minha imaginação ter alcançado lugares inatingíveis durante a gestação, não é frustrante ver que a realidade é um pouco diferente.
É engraçado ouvir dos colegas de trabalho que "a Carol é mãe de família agora". Ver que mesmo sendo essa figura, sou a Carol, com uma pitadinha disso ou daquilo. Hoje mesmo ouvi que desde que o Isaac nasceu não errei a previsão do tempo uma vez que seja. Aí me pus a pensar em todas as vezes que ouvimos nossas mamas falando pra levar um agasalho ou o guarda-chuva. Conclusão: toda mãe ganha um radar meteorológico.
Do mesmo jeito que quem recebe um filho (biológico ou adotivo) ganha ouvidos e faro de perdigueiro, um despertador interno britanicamente correto, uma velocidade pra Flash nenhum botar defeito e uma paciência que nem Jó teria.
E a memória??? Mãe decora todos aqueles nomes multinacionais de desenhos animados, relembra as cantigas e histórias que só ouviu nos primeiros anos de vida, as datas das vacinas, o telefone dos pediatras. Tá tudo alí, na ponta da língua quando necessário.
E a força, então... tem mãe que trabalha e mesmo assim chega em casa cheia de disposição pra brincar de cavalinho com o filhote. Tem mãe que não trabalha, mas mesmo depois de um dia inteiro cheio de horários e atividades tem vista e discernimento pra dublar personagens a beira da cama com o livro na mão.
Pois é, meninas, mães, mulheres, estava pensando essa madrugada... Não há criptonita que nos abata, cansaço que nos vença, tristeza que não acabe e preocupação que não fortaleça.
Mas é preciso sempre lembrar, desculpem, que não somos super-mulheres, que temos nossos defeitos e momentos de despreparo e desespero. Aí, só posso dizer uma máxima pra vocês: VIVENDO E APRENDENDO... a gente sempre chega lá.

Adoro essa foto. Dois motivos: Retrata a minha cara de cansada, com orgulho e feliz. E reparem no meu pequeno, ao fundo, só espiando a mamãe...
Ótimo final de semana pra todos vocês.
Bjo bjo bjo

quinta-feira, 27 de maio de 2010

Sem palavras e cheia delas...

Estava eu desligando o micro pra ir correndo buscar o filhote, tristinha da vida porque não tinha postado nada hoje (não ia dar tempo meeesmo)... até que resolvi passar por aqui de novo e vi que a Carol, uma xará especialíssima (e que tentou, tentou e tentou) engravidou.
Testes positivíssimos!
Eu acompanho o blog dela há pouco tempo e acho fascinante como a internet une as pessoas assim, num zás.
Estou feliz como se o teste fosse meu.
Estou feliz de verdade, com uma vontade de sair abraçando, distribuindo sorrisos como se a vida fosse um comercial da Coca-Cola.
Ao ler o post bacanérrimo da Carol, lembrei de cada instantezinho da minha gravidez.
E querem saber?
Quem me contou que eu estava grávida foi o Zé, meu maridex. Isso mesmo, fiquei sabendo por ele, enquanto carregava uma caixa pesadíssima de material de limpeza, numa loja cheiro-forte no centro da cidade, num calor de rachar mamona (como diria minha vózinha).
Depois disso fui só instintos, dúvidas, lágrimas, gargalhadas. E tudo da maneira mais intensa possível.
Parabéns pra Carol.

quarta-feira, 26 de maio de 2010

3 em 1: Voos diretos para toda União Européia, Febre Amarela X Copa do Mundo e Dia do Desafio

Boa notícia para as mamães viajantes!
Viajar é sim uma beleza, mas imagino que fazer escala com filhote, bagagem de mão e horário a cumprir, deve ser uma bagunça generalizada.
Então, hoje fiquei super feliz ao abrir o jornal e ler que Brasil e UE estão negociando para que os voos sejam diretos aos 27 países associados ao bloco.
O projeto foi anunciado ontem, durante a Cúpula União Européia - América Latina de Aviação Civil.
Esses vôos diretos, se tudo correr bem, devem começar no dia 14 de julho (ou seja, posso ser beneficiada já nas minhas próximas férias. Uhu!!).
Hoje o Brasil mantém acordos bilaterais com apenas 13 países europeus, e, segundo informações da Anac, a UE já apresentou apoio absoluto de todos os países que engloba.
+ bacana ainda: A expectativa da Anac é de que a medida gere bons resultados como a redução de preço para o consumidor. Explico: Vai haver aumento da oferta e da concorrência, já que empresas brasileiras e européias vão poder oferecer esses vôos sem escala.

****

Aviso aos viajantes! Quem for assistir aos jogos da Copa lá na África do Sul tem que tomar a vacina contra a febre amarela.
Simples. Além da prevenção ser o melhor remédio, as autoridades sul-africanas exigem a apresentação do Certificado Internacional de Vacinação, que comprova que o turista foi imunizado. Sem o Certificado, nada de entrar no país-sede da Copa.
A Anvisa ainda recomenda praqueles que, além de torcer vão turistar pelo país, muito cuidado com picadas de insetos. Repelente, manga longa e calças, principalmente em regiões onde há registro de casos de malária.
Cuidados com alimentação e higiene dos alimentos são básicos para o sucesso de qualquer viagem.
Pra não ficar na salinha do aeroporto, dá pra adiantar um pouco a burocracia no site da Anvisa.

**

E hoje é o Dia do Desafio.
Como tenho sido uma mama sedentária (se é que trabalhar, cuidar do filho, da casa, do maridex e dos cachorros pode ser considerado sedentarismo), vivo mostrando pro Isaac que há várias oportunidades de se mexer nessa vida.
A proposta para hoje é simples: Interromper a rotina e praticar qualquer tipo de atividade física por pelo menos 15 minutos.
Aqui em Bauru, atividades estão acontecendo desde cedinho, mas todo mundo pode contribuir, no bairro ou na empresa, e ligar para o 0800-7700444 para registrar a participação.
Ainda há aquela competiçãozinha saudável entre duas cidades, fato que pode render uma boa conversa com o filhote (sobre ganhar e perder, onde fica a outra cidade, etecéteras).
Minha cidade compete este ano com Maturín, na Venezuela. E a sua?

terça-feira, 25 de maio de 2010

Dicas de cozinha: Mamãe, pizza!!!

Não foi nem um pouco difícil, aliás, pareceu mais com amor a primeira vista do que preferência de paladar.
Experimentou, amou e virou regra.

Isaac tem seu lado italiano bem aguçado. A-do-ra uma pizza. Seja lá de qual sabor. Gosta e pronto.
O engraçado é que sexta-feira ele fica na escolinha o dia todo e quando chego pra buscá-lo, me responde a trivial pergunta Como foi na escola hoje, filho? com Pizza, maminha, pizza!
Básico, se maridex chega cedo, vamos pra pizzaria.
Mas durante a semana, se a lombriga do pequeno resolve ter um ataque, esta mama aqui não fica mais na saia justa.
Se o assunto pizza aparece, na na ni na. Sou meio neurótica e não libero assim não.
Resolvi arriscar uma “pizza mais saudável” e assim matar a vontade do filhote sem contribuir com o colesterol e me acabar no chororô.
Descobrimos que existe pão árabe integral, já dá uma base bacana e mais light.
Sobre a metade do pão, pico bem/desfio a carninha que seria apreciada na janta (em contato com o pão deixa tudo mais molhadinho).
Os legumes cozidos, que batem cartão diariamente lá em casa, vão todos pro recheio.
Uso queijo branco ou requeijão pra dar aquela carinha de pizza mesmo.
Aí vai da imaginação de cada mama. Orégano, manjericão, tomate picadinho.
Tudo pro microondas com a tampa própria e pronto.
Comida saudável, filhote feliz e jantinha sem stress.

Receitinha de pizza que o Isaac adora:
- metade de um pão árabe integral
- um bifinho de filé de frango desfiado
- brócolis cozido
- tomate picadinho
- cenoura ralada
- 1 colher de sopa de requeijão light
- orégano
Só montar seguindo essa ordem. Um minuto de microondas na potência média.

E bom apetite!
Ah! Bacana que filhotes maiores podem montar sua própria pizza.


Em tempo:
Hoje meu pequeno completa 1 ano e 9 meses! Parabéns pra ele, pra mim e pro maridex!
Tô orgulhosa hoje e tô podendo!!!!

Mama navegando e salivando:
Conheci hoje, através do 1001 Roteirinhos... Hummm - Cozinha Pequena
Cheio de boas dicas - Crianças na Cozinha

segunda-feira, 24 de maio de 2010

Protestos de mãe...

Duas coisas me colocaram no sério esse final de semana, se posso assim dizer.
Virada proibida para menores???

Ter eventos como a Virada Cultural é um presente para a cidade. Concordo plenamente. Mas fiquei frustrada e estou procurando até hoje (o evento aconteceu sábado e domingo) atrações direcionadas a crianças.
Concordo também que a proposta do evento seja atingir o público jovem, mas pera lá... nas 24 horas de programação, apenas duas oportunidades de levar o Isaac para conviver mais um pouco com o sentido de CULTURA. Somente duazinhas peças de teatro oferecidas pelo Sesc.
E detalhe: Uma delas as 6 da tarde, em local aberto, nesse friozão de Meu Deus que Bauru já enfrenta.
Fica o protesto.

***

Água no leão????

Meu Deus do Céu!!! Me segura!
Ontem Isaac acordou falando Zoológico. Dia lindo, papai cheio de disposição, fomos que fomos pra um dos programas preferidos do meu pequeno.
Tudo lindo... Até chegarmos a jaula do leão, momento mais que esperado, já que ver um gatão daquele tamanho impressiona qualquer criança (ainda mais em fase de vício pelo Madagascar).
Ok. Mas ir de manhã ao Zôo tem lá suas conseqüências. Os felinos estão dormindo esparramados nessas horas. E a gente fica ali, espiando o barrigão do leão, falando de preguiça, que o rei dos animais dorme igual o Iron Maden (nosso schnauzer), torcendo pra que a onça pintada e os babuínos estejam mais agitados.
Tá. Coisa de mãe e pai. Só que presenciei uma cena BLAAARG ontem. Um pai, acompanhado de seu filho de 6/7 anos, não satisfeito, teve o trabalho de ir até o bebedouro mais próximo, encher um copo com água e jogar no leão...
Hã? Isso! Acordou o bichano no susto, com água gelada!
Olha o exemplo! Olha o absurdo! Olha a falta de bom senso! Segurei a língua. Não ia fazer o mesmo e mostrar pro Isaac que as coisas se resolvem no grito. Mas em pensamento berrei e repeti todo o repertório de palavrões que eu poderia conhecer e imaginar.

Aí, minha gente, essa questão do exemplo, vai de encontro aos posts (esse e esse) sobre Publicidade Infantil. Não posso generalizar, mas grande parte depende e muito do limite e das atitudes que mostramos aos nossos filhos.

Que tipo de ser humano esse pai “espírito de porco” vai criar?

Mamãe cutucando:

sexta-feira, 21 de maio de 2010

Publicitário participa de papo brabo aqui no Viajando

Postei aqui, a convite da Ceila, do Blog do Desabafo de Mãe, o meu texto sobre Publicidade Infantil.
Na época em que escrevi o post fiquei boiando entre as informações e os vários sentimentos (indignação, raiva, culpa, proteção) que o assunto despertou em mim.
Como não sou de ficar quieta, logo puxei um papo bacana com um colega publicitário, e pedi que colocasse a sua visão, as suas explicações, e o que mais pudesse acrescentar sobre o assunto.
Segue o texto que ele escreveu pra gente. Obrigada, viu Leandro, pela atenção e por aceitar o convite.
...


Bom dia mães. Primeiramente gostaria de agradecer ao convite da Carol para participar desse assunto que gera tanta polêmica e está tão presente em nosso dia-a-dia. Segundamente, parabenizá-las pela iniciativa de se unirem para, criticamente, analisar aspectos gerais da vida. Aspectos esses que podem, muitas vezes, influenciar dentro das nossas casas.
Sem mais delongas, vamos ao assunto.
O poder da publicidade frente aos pequenos.
Essa questão toda é um tanto quanto mais profunda do que as vezes possamos imaginar. Acaba caindo um pouco no que a Ceila comentou sobre o publicitário que criticou a postura dos pais por muitas vezes serem omissos diante dos filhos.
Antigamente não se via tantas campanhas publicitárias voltadas ao público infantil, mas por quê?!
O tempo passou e alguns costumes familiares também. O filho não tinha muita vez. Podia pedir, fazer bico, chorar, espernear, o mínimo que ia ganhar era um chacoalhão e um delicado conselho: “Se chorar vai apanhar!!!!”. E lá se ia, bicudo, vendo aquilo que tanto queria ficar pequeno enquanto a mãe o puxava pelo braço pra longe.
Hoje em dia a história é outra. Filhos cada vez mais respondões e com voz ativa perante os pais. Basta uma ameaça de escândalo e lá se vão os pais, com cara de poucos amigos, fazer a vontade daquele serzinho poderoso, que no mesmo momento faz sumir de seu semblante qualquer resquício de choro.
Mães, não entendam isso como generalismo da minha parte, ok?! Odeio essa palavra com todas as minhas forças. Mas são coisas que vejo acontecer com freqüência.
É inegável que as crianças estão se desenvolvendo precocemente em relação as crianças do passado. Lembro que quando tinha 2 anos mal formava uma frase. Hoje em dia, criança nessa idade fala, anda, canta, dança. Tudo isso acaba se tornando um prato cheio para uma classe de profissionais que está sempre ligada a qualquer brecha para poder atingir seu público em cheio.
E se vc acha que é só de criança que estou me referindo, engana-se, pois muitas vezes o foco de uma determinada campanha são os pais através dos filhos. Toda propaganda mexe com os pais quando mostra benefícios em relação aos filhos. Veículos com porta malas grandes, banco traseiro com suporte para cadeirinha de bebê, móveis com acabamento arredondados pra evitarem acidentes, e por aí vai.
O problema é que todo esse processo publicitário passa por um “filtro criativo” chamado ética profissional. Ta aí um desafio para um publicitário!!! Criar uma campanha publicitária pra vender esse filtro convencendo que os “malefícios” são maiores que os “benefícios”, quando malefícios significa evitar apelos, e benefícios, mais vendas para o cliente (mesmo sendo a qualquer custo).
As leis muitas vezes acabam contribuindo para essa desordem toda.
Filho que manda nos pais?! “Ahhhh que horroooor”. Quer horror?! É o mínimo que pode se esperar quando as circunstâncias estão a favor. Quando imaginaríamos filho podendo processar os pais por ter levado umas palmadas?! Pais que vão a escola discutir com o professor por ter repreendido seu filho que colava na prova, escrevia na mesa?! Esses são apenas alguns exemplos de como as coisas tem caminhado.
Falei tudo isso pra chegar a esse ponto!!! Se os filhos não tivessem tanta voz ativa perante os pais, não haveria tanto foco em cima deles. Seria um desperdício de tempo, dinheiro...
Mas o que fazer?!
Difícil dar uma solução concreta. Da mesma forma que é difícil dizer “NÃO” ao filho de 9, 10 anos que pede um celular de presente quando todos os amiguinhos da escola já ganharam um. Difícil, mas não impossível. Uma coisa não justifica a outra. Ou vamos deixar os pais dos outros educarem nossos filhos?! Criança tem que aprender o valor de um “não”, de uma repreensão, de um castigo, mesmo que esse aprendizado só venha tempos depois. Faz parta da boa educação.
Acredito que enquanto a criança não tiver condição de entender o real significado de “necessidade”, deve ouvir, sempre que preciso, um “NÃO” cheio e ríspido, rs.
“Não” a um determinado canal, “não” a um determinado produto, “não” ao vídeo game a tarde toda...
O mundo não ta fácil minha gente. Nada fácil!!!
Pasmem!!! Vem aí a camisinha infantil!!!
O que aguarda meus filhos, netos?! Aff....

Pra terminar, deixo um versículo bíblico que fala bastante comigo a esse respeito: “Ensina a criança no caminho em que deve andar; e até quando envelhecer não se desviará dele" Provérbios 22.6

Leandro Mello, publicitário ético, cristão e futuro pai babão (mas com responsabilidade)
@_leandromello

Mama navegando:

quinta-feira, 20 de maio de 2010

Dicas de viagem: Águas de Lindóia

Aproveitando o selinho que ganhei do Movimento que incentiva as viagens com os pequenos, lembrei que ainda tenho algumas viagens expressas pra contar aqui.
Expressas porque são mega rápidas, duram no máximo 3 dias e o porta-malas volta cheio de boas dicas e recordações.
Minhas férias são sempre de 30 dias e não tem papo. Aqui na rádio não dá pra parcelar os dias de descanso, então fico sempre um período sem o maridex, que tem as férias mais curtas.
Bom, final do ano passado, pós praia com Isaac, pós segunda Lua de Mel Amsterdam/Barcelona, fiquei fuçando uma maneira de gastar os dias que me restavam antes de voltar a trabalhar.
Pensei bem e resolvi, unindo o útil ao agradável, levar o pequeno pra conhecer a Bisa Biby, que mora em Águas de Lindóia.
O destino já havia sido muito bem recomendado por algumas mães e a combinação lugar bacana + colinho de família só me fizeram arrumar as malas mais depressa.
Águas de Lindóia não fica nada perto de Bauru, são quase 5 horas de viagem e esta mama aqui ia ter que praticar e muito o lado motorista em rodovias.
Consultei meu amigo Google Maps, peguei dicas com o maridão, fucei a internet.
Fomos que fomos! Eu, Isaac, os avós maternos e malas bem enxutas, já que voltaria no dia seguinte.
Como não sabia muito das possíveis paradas pelo caminho, fiz uma lancheira básica com biscoitinhos, frutas picadinhas, suco, água e papinha da Nestlé.
As estradas estão ótimas e começar uma viagem por Brotas deixa a gente mais feliz. A Rodovia Eng. João Baptista Cabral Renno (SP-225) é linda, verde, cheia de atrativos pro pequeno conferir da janela do carro mesmo.
O caminho é um pouco complicado, mas sem problemas. Há postos bacanas e bons pontos pra dar uma esticadinha nas pernas.
O trajeto termina pela Rodovia Eng. Constâncio Cintra (SP-360). Cheia de curvas, mas linda. Já tem aquela cara de Minas Gerais (Águas é na divisa dos estados SP/MG), meio serra, montanhas, pastos verdinhos, casinhas típicas.


Águas de Lindóia é uma cidade linda. Conhecida como “a capital termal do Brasil”, tem o clima maravilhosamente ameno, sem calor nem frio, e pra completar o apartamento da Bisa fica bem em frente a um morro, espaço reservado de mata, onde ouvimos os passarinhos e sentimos o cheiro do verde bem de pertinho.
Há várias atrações como restaurantes, passeio a Monte Sião que está logo ali.
Eu, quebrada de tanto dirigir, dormi enquanto Isaac foi conferir a cidade com os avós e tios.
Voltou cheio de palavras novas como cisne e fonte.


Há uma praça enooorme, a Adhemar de Barros (projetada por Burle Marx), com lagos, pedalinho, trenzinho, feirinha e os típicos cavalinhos de madeira e charretes, que levam os turistas pra passear.


As padarias são uma beleza com a opção do pão-de-queijo mineiro mesmo (que amei porque sou viciada na guloseima).
Não conheci o tão comentado turismo rural/ecológico da região, mas segue um site completo sobre as atrações de Águas.
A noite fomos conferir a decoração de Natal. A praça estava toda iluminada.
Dormimos na Bisa, mas os hotéis e flats que ficam na montanha ou em frente a praça são super bem avaliados.


Dia seguinte, pé na estrada de novo. Papai estava esperando e tínhamos uma ceia de Natal a noite.

**todas as fotos, exceto a do meu pequeno com a Bisa Biby, foram retiradas dos sites e blogs que recomendo abaixo.

Mama navegando atrás de dicas:


quarta-feira, 19 de maio de 2010

Mais um! Selão!!!!

Como a Jê, do Vizinhos de Útero, que fez este selo, não gosta de nada no diminutivo agradeço aqui esse SELÃO!
Quem tem gêmeos ou pretende ter, simbora visitar o blog da Jê, que é cheio de histórias sobre o assunto.
Bjocas, Jê!
obrigadÃO, pelo selÃO!!!


Então...
Mais blogueira merecendo selitcho???
SEMPRE!!!
Vai então pra
Adoro os papos com ela, mas engraçado que não achei o nome dessa figura!, do Mãe Mochileira, Filho Malinha

Bjo bjocas!

Mais um selinho! Eba!!!


Esse selinho é especial. Me faz lembrar do porquê de eu ter entrado no mundo virtual. A minha primeira vez foi por isso. Estava louca atrás de dicas pras primeiras férias do Isaac. De lá pra cá só achei gente bacana, cheia de dica boa. Além dos excelentes bate-papos sobre os mais diversos assuntos que envolvem o universo materno. Agradeço então a Pati, que junto com outras mamas, fundou o movimento "Eu viajo com meus filhos", de onde, com certeza, vou sugar muitas dicas!

E lá vamos nós pras regrinhas:
Ofereço a essas blogueiras, que mamas ou futuras mamas, tem muito a ver com essa minha vontade de mostrar o mundo pro meu pequeno.

Carol, do Travel Forever
Ana Paula, do Viajar é tudibom




terça-feira, 18 de maio de 2010

Revivendo momentos. Parte 7: A primeira infância é sim uma loucura!

Bom dia!
Uma segunda-feira braba, com vacina contra a H1N1, supermercado, canseira geral, me deixaram meio sem palavras.
Então vai aqui mais um daqueles momentos que vivi e acho uma delícia relembrar, reler, resuspirar...
Ah! Continuo maravilhada com o desenvolvimento do meu filhote. Só trocar o engatinhar por andar/correr, adicionar alguns centímetros e peripécias.

...

Mama enlouquecendo em janeiro de 2010

Pode ser papo de mãe de primeira viagem, mas confesso que ando questionando se ainda continuo uma pessoa normal.
E fico espantada às vezes. Como é que eu, parte integrante da geração internet, posso ficar tão perplexa diante de tanta informação e novidade?
Isaac cresceu, meninas. Do alto de seus 75 centímetros, meu filhote de 1 ano e 4 meses não cansa de me surpreender. Todo dia é uma palavra nova e uma reação nova a vida.
Se me lembro bem, em alguns textos disse aqui sobre as minhas reações. Agora me enxergo meio que parada, com os olhos arregalados, diante de tanta rapidez e desenvolvimento.
Continuo passando meio período com o pequeno, tempo suficiente para presenciar de tudo um pouco, ou um muito, como queiram.
Ontem mesmo parei pra pensar quando é que Isaac anda treinando pra maratona de engatinha... Outras perguntas freqüentes são: Como ele fez isso? Ou de onde ele tirou isso? Sei, sei bem que é só o começo e que ainda há muito que aprender com meu filho. Mas que temos que rebolar pra acompanhar, isso é fato.
O pequeno está demorando pra andar, ok, tudo tem seu tempo, mas em compensação... As palavras vêm a galope, ou saem a galope, da boca dele. Fala tudo, responde tudo e adora cantar. Presta uma atenção bárbara e na primeira oportunidade repete o que entendeu.
Fora que as mãos tem uma agilidade supersônica e os olhos uma velocidade monstruosa.
Já sabe bem quais as gracinhas que ganham a atenção e as que o livram da bronca. As birras que tem resultado e as que pedem um choro mais alto.
Enfim, Isaac está se tornando um ser humano com todas as suas vírgulas.
E eu fico aqui, expectadora, interativa e cheia de dúvidas.
Será que estou fazendo o certo? Será que é assim mesmo?
Só sei que estou fazendo o meu melhor, inclusive em me cobrar e respirar fundo pras horas de cansaço. (E que cansaço, hein? Mas isso deixo pro próximo desabafo...)
É assim não é? Acho que é...

Bjocas e ótima semana

sábado, 15 de maio de 2010

Legal!!! Passeio do Dia Internacional da Família e Baby Móvel.

Tive duas ótimas notícias ontem.
Dois eventos bem bacanas, direcionados a papais e pequenos vão acontecer aqui em Bauru. Um deles corre o Brasil, o outro fica como idéia, já que é um programa bem legal e vai ser aplaudido onde quer que aconteça.

Anota na agenda, hein?!

Domingo, 16/5

Amanhã, o Dia Internacional da Família, vai ser comemorado com o “1º Passeio de Bebês de Bauru”.
A iniciativa é do vereador Fernando Mantovani, que encabeça vários projetos de incentivo ao lazer aqui na cidade.
O objetivo é reunir a família para uma diversão em conjunto, num percurso de 1km, na Avenida Getúlio Vargas, local onde a criançada já adora ficar solta no domingo, dia em que a via fica fechada para a circulação de veículos.

Serviço:
“1º Passeio de Bebês de Bauru”
Neste domingo, 16/5, às 9h, na Praça Central da Avenida Getúlio Vargas em Bauru/SP

***

Agora esse outro evento, merece destaque na agenda e neste blog.

Aqui em Bauru, segunda-feira, dia 17/5. Calendário no interior de São Paulo, logo abaixo.

A “Campanha Prematuro Imunizado é Prematuro Protegido”, da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), vai passar pela minha cidade, nesta segunda e terça-feira com o Baby Móvel.
Entrevistei a vice-presidente da SBIm, Isabela Ballalai, e ela explicou que o Baby Movel é um veículo projetado para orientar e mostrar que existe um calendário de vacinação específica para prematuros, diferente do calendário dos bebês que nascem em tempo normal.
Eu achei a campanha mais que necessária, já que sendo eu mama de um bebê prematuro, senti na pele as surpresas das doses a mais e também a preocupação com um serzinho que nasce sem estar completamente formado.
Além disso, os papais dos apressadinhos também tem que estar atentos com termos como Vírus Sincicial Respiratório, principal agente de infecções respiratórias em crianças menores de um ano de idade.

Serviço:
Como prometido, segue calendário:
17/05 - Praça Rui Barbosa (Bauru), das 13h às 19h.
18/05 - Bauru Shopping (Bauru), das 11h às 19h.
19/05 - Hospital da FAMEMA (Marília), das 13h às 19h.
20/05 - Esmeraldas Shopping (Marília), das 11h às 19h.
21/05 - Prudenshoping (Presidente Prudente), das 13h às 19h.
22/05 - Parque do Povo (Presidente Prudente), das 11h às 19h.
24/05 - Rio Preto Shopping (S. J. do Rio Preto), das 11h às 19h.
25/05 - Pça. Carlos Gomes (S. J. do Rio Preto), das 11h às 19h.
26/05 - Novo Shopping (Ribeirão Preto), das 13h às 19h.
27/05 - Morro de São Bento (Ribeirão Preto), das 11h às 19h.
28/05 – Monsenhor Emilio José Salim (Campinas), das 13h às 19h.
29/05 - Bosque Dos Jequitibás (Campinas), das 11h às 19h.
30/05 – Pq. Monteiro Lobato (Taubaté), das 13h às 19h.
31/05 - Taubaté Shopping (Taubaté), das 11h às 19h.

Após o roteiro nas cidades do interior de São Paulo, o Baby Móvel segue para o Rio de Janeiro, a partir do dia 02/06, no Largo do Machado, no Flamengo.

sexta-feira, 14 de maio de 2010

Contando causos...



Taí um outro bom exemplo do jogo de cintura materno.
Ontem fui levar Isaac na pediatra.
Até aí tudo normal.
Mas essas benditas calças baixas, que nem um cinto segura o cós no lugar certo, me colocaram numa situação, digamos, engraçada.
No meio da consulta o filhote espalhou todos os brinquedos que a Dra. Sônia gentilmente sede para que as mamas consigam um pouco de silêncio para entender as prescrições.
Ok, mais uma coisa normal.
Só que esta mama aqui precisou abaixar para ajudar na catança da bagunça e pagou um cofrão, digno do Tio Patinhas.
E Isaac já esperto e muito sarrista, como de costume (e com essa cara de sapeca aí de cima mesmo), correu pras minhas costas.
Gelei. Achei que ele ia soltar um "BUNDA! BUNDA!", como faz em casa, mas não...
Foi pior.
Enfiou a mãozinha inteira na minha traseira, puxou o elástico da minha calcinha e soltou, com um estalo que ecoou dentro do consultório:
"UMBIGO DA MAMÃE!!!" (confundindo os buracos da anatomia humana, sem tirar a mão da minha poupancinha...)
Lógico, que a querida doutora já estava se matando de tanto rir e todos na sala de espera estavam ansiosos e mega curiosos, já que as gargalhadas (e o estalo do elástico) chegaram até lá, lógico.
Ergui a calça e ri junto.
Fazer o quê?

quinta-feira, 13 de maio de 2010

Publicidade Infantil, um assunto sério.


Fui convidada pelo Blog do Desabafo de Mãe para falar/escrever sobre publicidade infantil. Assunto que vem ocupando a cabeça de muitas mamas, e com razão.
A proposta passada pela Ceila é colocar aqui um post que responda a pergunta: Como orientar meu filho diante da publicidade na TV?
Primeiro não sabia bem o que dizer, já que Isaac não presta muito atenção nas propagandas, está na fase do vício pelos personagens. Mas aí é que está.
E alguns pensamentozinhos depois o assunto virou Papo Brabo. “Top Five Oh Vida! Oh Céus!” pra esta mama aqui.
Anos e anos estudando comunicação já me fizeram entender o significado de comunicação de massa e o grande prato mastigado de baboseiras ou não que nos é enfiado goela abaixo diariamente pelos meios populares. Ok. Mas isso agora atinge a capacidade de pensar e reagir do meu filhote. Isso. Aquele serzinho ali que defendo como uma leoa.
Misturaram-se os valores. Janelas abertas são ótimas sim, mas tudo tem que ter limite. Então, diante do capitalismo desenfreado e do consumo (umo umo umo, com eco mesmo) que move o mundo, a publicidade tomou papel mais que essencial pra sobrevivência da comunicação de massa. Fato. Trabalho em uma rádio FM comercial e sei o quanto corro com o noticiário pra que os breaks entrem na hora certa.
Tá. Mas o que fazer então, com as cores, as crianças lindas, as músicas, os efeitos especiais e os personagens da publicidade cada vez mais Hollywoodiana da TV? Boa pergunta, Ceiloca.
Primeiro pensei em me inteirar do assunto. Estudar o que pode ser lei ou não. Como a comunidade infantil pode ser protegida. Até que ponto as agências de publicidade tem o direito de atuar diante desse público. Onde termina o limite de apelação das empresas. Mas logo percebi que saber disso é muito bom, mas na prática mesmo, diante dos r trocados do meu pequeno, isso não ia ajudar muito.
No fundo, é preciso buscar a sabedoria e a essência do ser mãe. Colocar limites nunca é fácil em nenhuma etapa da vida, em nenhuma fase de educação.
Cheguei ao ponto.
Lidar com um segmento tão forte e ativo como a publicidade requer pulsos firmes e inteligência estratégica. Não dá pra conviver com o “pode virar lei”. É preciso agir antes que isso aconteça. Exemplo: Pensando nesse texto ontem, vi que Isaac a-do-ra a música da Copa do Mundo da Coca Cola. Fica quieto, ouve, dança. Pensei. A música ou a Copa são da Coca Cola? Que absurdo! Como é fácil virar consumista hoje!
Pois bem. Como agir? Doses homeopáticas de contrapartida. De ensinamentos. De exemplos de que a vida não é só Ben 10 ou Hello Kitty. De que existe vida além da TV.
Como?
Meus pais sempre criaram agente longe da TV. Digo, das novelas e das baboseiras. TV em casa era uma tarde assistindo um documentário sobre animais ou um clássico do Chaplin. Ouvindo tudo quanto é tipo de música, de forró a Bethoven. Tínhamos enciclopédias, livros, revistas, gibis, tudo a vontade. Folha, tesoura, lápis, caneta, giz, lousa. Lembro do meu pai ensinando geografia pra gente desenhando o mundo em uma laranja. Acho que são exemplos bons de seguir.
Mesmo com um mundo tão virtual e cheio de banners e anúncios, acho que ainda dá sim, pra ensinar de outra maneira. Dá pra mostrar que a vida não é só isso. Dá pra por limites.
Sou contra proibir, entendam. Sou a favor do ensinar. Mostrar que nem tudo o que é mostrado na propaganda é melhor ou mais bonito. Convencer que só se compra o que é necessário.

Mas sou a favor mesmo da nossa reeducação diante dos valores já impostos pelas mídias e pela publicidade. Pensem nisso.

Ah! Convidei o Leandro Mello, um colega publicitário, para dar a visão dele sobre assunto. Logo posto o texto dele aqui no blog.

Mama internetando:

quarta-feira, 12 de maio de 2010

Falando de mulheres...


Recebi coisas ma-ra-vi-lho-sas durante a semana do Dia das Mães, e agora que estou tendo tempo de ler, com carinho, não posso deixar de dividir com vocês.

Essa é excepcionalmente boa!

Um homem Inteligente Falando das Mulheres

O desrespeito à natureza tem afetado a sobrevivência de vários seres e entre os mais ameaçados está a fêmea da espécie humana.
Tenho apenas um exemplar em casa,que mantenho com muito zelo e dedicação, mas na verdade acredito que é ela quem me mantém. Portanto, por uma questão de auto-sobrevivência, lanço a campanha 'Salvem as Mulheres!'
Tomem aqui os meus poucos conhecimentos em fisiologia da feminilidade a fim de que preservemos os raros e preciosos exemplares que ainda restam:
Habitat
Mulher não pode ser mantida em cativeiro. Se for engaiolada, fugirá ou morrerá por dentro. Não há corrente que as prenda e as que se submetem à jaula perdem o seu DNA. Você jamais terá a posse de uma mulher, o que vai prendê-la a você é uma linha frágil que precisa ser reforçada diariamente.
Alimentação correta
Ninguém vive de vento. Mulher vive de carinho. Dê-lhe em abundância. É coisa de homem, sim, e se ela não receber de você vai pegar de outro. Beijos matinais e um 'eu te amo’ no café da manhã as mantém viçosas e perfumadas durante todo o dia. Um abraço diário é como a água para as samambaias. Não a deixe desidratar. Pelo menos uma vez por mês é necessário, senão obrigatório, servir um prato especial.
Flores
Também fazem parte de seu cardápio – mulher que não recebe flores murcha rapidamente e adquire traços masculinos como rispidez e brutalidade.
Respeite a natureza
Você não suporta TPM? Case-se com um homem. Mulheres menstruam, choram por nada, gostam de falar do próprio dia, discutir a relação? Se quiser viver com uma mulher, prepare-se para isso.
Não tolha a sua vaidade
É da mulher hidratar as mechas, pintar as unhas, passar batom, gastar o dia inteiro no salão de beleza, colecionar brincos, comprar muitos sapatos, ficar horas escolhendo roupas no shopping. Entenda tudo isso e apoie.
Cérebro feminino não é um mito
Por insegurança, a maioria dos homens prefere não acreditar na existência do cérebro feminino. Por isso, procuram aquelas que fingem não possuí-lo (e algumas realmente o aposentaram!). Então, aguente mais essa: mulher sem cérebro não é mulher, mas um mero objeto de decoração. Se você se cansou de colecionar bibelôs, tente se relacionar com uma mulher. Algumas vão lhe mostrar que têm mais massa cinzenta do que você. Não fuja dessas, aprenda com elas e cresça. E não se preocupe, ao contrário do que ocorre com os homens, a inteligência não funciona como repelente para as mulheres.
Não faça sombra sobre ela
Se você quiser ser um grande homem tenha uma mulher ao seu lado, nunca atrás. Assim, quando ela brilhar, você vai pegar um bronzeado. Porém, se ela estiver atrás, você vai levar um pé-na-bunda.

Aceite: mulheres também têm luz própria e não dependem de nós para brilhar. O homem sábio alimenta os potenciais da parceira e os utiliza para motivar os próprios. Ele sabe que, preservando e cultivando a mulher, ele estará salvando a si mesmo.
E meu amigo, se você acha que mulher é caro demais, vire gay.
Só tem mulher quem pode!

terça-feira, 11 de maio de 2010

Super-Mulheres

Recebi esse vídeo liiindo da Ju Negrão, e acho que cabe para todas nós aqui.
Bjocas!

video

Dia das Mães. Só hoje...

Tô tentando não cair no clichê "todo dia é dia das mães", mas sem querer vou mergulhar de cabeça nele só pra deixar meu post sobre a data, ok?
Meu final de semana das mães, melhor assim, foi uma loucura.
Primeiro que o lado profissional e o maternal se estranharam e resolveram bater de frete como duas jamantas desgovernadas e eu fiquei alí no meio, tentando não desagradar a nenhum dos dois, nem a família.
Sobrievivi, sim cheia de dúvidas e culpas, mas tô viva.
Mas chega de blá-blá-blá. O que me faz voltar no tempo hoje é que eu quero mesmo é falar sobre as mães da minha vida.
Aquelas que genética ou exemplarmente me fizeram o que sou.


Primeiro quero apresentar a vocês a minha vózinha, Dona Eliza. Grande mulher.
Guerreira, batalhadora, viva.
Só de falar dela eu já sinto o cheiro do bolo feito no forno a lenha e do café torrado no fundo do quintal.
Só de pensar nela ouço seus chamados lá de cima da jabuticabeira, do gosto feliz de todo final de semana passado e dormido em sua casa.
O barulho da máquina de costura, as brincadeiras mezzo italianas mezzo caipiras, as orações de todo dia.
Até hoje, nos seus mais de 80 anos, não dorme enquanto não liga para todos os netos e filhas para nos abençoar e desejar boa noite.
Faz a gente lembrar que, mesmo amarga, a vida tem o gosto doce que a gente quer que tenha.
A outra mulher em questão é a minha mama.
Baixinha braba. Antenada. Estericamente agitada.
Mãezona, vózona, professorona.
Puxou todas as característcas da sua própria mama, a Dona Eliza, e deu todos os upgrades que a vida ofereceu.
Não para. Vive, passeia, viaja, estuda, trabalha, trabalha, trabalha.
Pronta, sempre. Pra ouvir, pra chorar, pra dar risada.
Me coloca de pés no chão e me ajuda com os meus sonhos.
Me ensinou que, a vida pode ter o gosto que a gente quer e nenhum acontecimento é mais forte que a gente. Nunquinha.

É isso. Eu não tinha como comemorar quem eu sou sem homenagear quem me ensinou a ser.
Parabéns a todas as minhas mamas amigas, queridas, blogueiras ou não.

sexta-feira, 7 de maio de 2010

Mandemos amor e ajuda ao Théo!!!

Acabei de conhecer o blog Potencial Gestante.
Achei uma graça e recomendo, mas o papo agora é sério.
O blog está divulgando e fazendo uma mega corrente pra ajudar o Théo, um pequeno de 5 meses que precisa de um leite especial devido seu estado de saúde.

Vamos ajudar, né?
Mãe, mais do que ninguém, sabe que um tanto de amor e mãos dadas resolvem os mais difíceis problemas.

Ajudando o Théo:

O primeiro selinho a gente nunca esquece

Recebi meu primeiro selinho e estou suuuuper feliz!
Primeiro porque fazer parte de uma rede tão bacana só aquece o coração da gente.
E depois, porque veio de uma pessoa que se tornou muito especial, a Chris, do Inventando com a mamãe, a qual considero um exemplo de mãezoca.
Peço a Deus, sempre, que me dê um pouco da energia e da criatividade que ela tem no dia-a-dia com Ana Luiza e com a Sofia.
Bjocas, Chris!



Bom, agora as regras.
Quem recebe um carinho desse só tem o dever de distribuir mais carinhos ainda.

* Exibí-lo em seu blog.
* Lincar o Blog que recebeu a indicação.
* Escolher 10 (dez) blogs para indicar.
* Avisar aos escolhidos.

Vamos que vamos então que estou louca para presentear as blogueiras, que por um motivo ou outro me passam dicas e energias mais que preciosas:

- Ceila e Sueli - Blog do Desabafo de Mãe
- Renata - Dicas Green

quinta-feira, 6 de maio de 2010

Dica para a vida: Contato com a natureza

Sou uma mãe (moderna, claro) que luta por um mundo com menos botões e mais grama pra pisar.
Numa das crises de choro do Isaac resolvi sair com ele no jardim, e pra distraí-lo, passei suas mãozinhas no tronco e nas folhas das árvores, e sem querer, incentivei alí uma relação especial do pequeno com a natureza.
Hoje, qualquer árvore, arbusto, galho mais simpático merece um abraço.
Todo passeio merece uma florzinha para ser acariciada e cheirada a exaustão.
É preciso parar em baixo de toda árvore mais alta para que o meu filhote consiga ver o sol através das folhas olhando pra cima. Regar as plantinhas então, satisfação garantida.
Parques, bosques, zoológico, laguinhos, gramado, pesqueiros. Todos esses lugares são parte mais que integrante da nossa programação semanal.
Contato com a terra, com os bichos, com cada pedacinho verde que exista, mesmo que for pela janela. Essa mama aprova e busca cada vez mais ver o pequeno integrado e percebendo o meio ambiente.
Coisa difícil hoje em dia.
E você? Já abraçou uma árvore hoje?


Recomendo porque faz um beeeem.

Mamãe no mundo virtual:

quarta-feira, 5 de maio de 2010

Revivendo momentos. Parte 6: Festa de aniversário

Então... Voa!
Já estou fuçando tema, lembrancinha, revendo lista de convidados pra segunda festinha de aniversário do Isaac.
Aí, vejam só, lembrei dos apuros ao preparar a primeira festa.
Cutuquei nos arquivos e tenho sim um desabafo sobre o período.
Aproveitem.


...

Virando mamãezinha em junho de 2009

Que alegria!!! Olhar pra trás e ver que todas as dificuldades, injeções durante a gravidez, parto prematuro, bebê pequenininho, medo do banho, a queda do umbigo, todas as dúvidas do comecinho de ser mãe, enfim passaram.
Agora as questões são outras, bem mais complexas, porém tão deliciosas de se vivenciar quanto. E não estou falando de educação, criação ou saúde. O que vem me ocupando e cercando por todos os lados é a primeira festinha de aniversário do pequeno.
Meu Deus! Eu que sou uma pessoa tranquila me vejo, as vezes, perdida no meio de tanto detalhe. Não é ruim de fazer não, a culpa, acho eu, é toda da falta de prática.
A Anita, uma amiga muito querida, me disse outro dia que fácil é fazer festa de adulto: “É só encher o povo de carne e cerveja que fica tudo bem”. Mesmo que não seja tão simples assim até com adultos, concordo plenamente, pois resolver questões como lembrancinha, fotógrafo, cardápio, local, lista de convidados, convite... affff... estão me deixando maluca.
Fora os palpites... fazer só você e seus botões já dá um conflito enorme. Imagina com a interferência dos outros... Sem contar que ninguém entende que, mesmo trabalhando e sabendo bulhufas de festinha infantil, eu sou a mãe, e daquelas que fazem questão de participar de tudo, mesmo que seja administrando ou escolhendo o já pronto.
O que importa pra mim (e espero que Isaac cresça pensando assim também) é o carinho com que as coisas são feitas, escolhidas, observadas. E não se fui eu que costurei ou passei cola. Os valores dessas pequenas coisas pra mim são enormes.
Mesmo escolhendo por fazer a festa em buffet, estou fazendo questão de participar de tudo e escolher algumas coisas daquele jeito que, acho eu, só mãe consegue.
Mas tem aquele outro lado, o de não querer errar em absolutamente nada, de querer o quase perfeito. Não pelos outros, mas pela recordação, pela vontade de que aquele momento seja plenamente bom, pois pra mim, não é bem o primeiro ano que se comemora ali, na hora do “Parabéns à você”, mas sim tooooodo o processo de ser mãe (e pai também), de ter conseguido, alcançado, conquistado. De ver o pequeno crescer, se desenvolver, e o principal, sobreviver às loucuras da maternidade.
Dizem que a festa de 1 ano é pros pais e não pros filhos. Tá, que seja. Eu quero sim aproveitar e festejar muito o Isaac e essa vida nova que estamos levando juntos. Mas eu quero ter uma ótima história pra contar a ele desse dia tão especial, desde os preparativos até a hora de ir embora com o porta-malas cheio de presentes e lembranças.

E já estou dividindo essas histórias com ele, viu...
Vendo também se ele me ajuda a, pelo menos, escolher entre a festa do leão (Madagascar, no qual está viciado) ou do palhaço.
Oh! Dúvida Cruel! Kkkk



terça-feira, 4 de maio de 2010

Ai ai ai! Onde???

Quando Isaac era bebezinho e chorava por estar incomodado com algo eu repetia sempre pra ele:

- Calma filho prometo que quando você começar a falar tudo vai ficar mais fácil.

Pois bem, nesses dias de dodói, agora escuto ai ai ai direto.
E pergunto: Ai ai ai aonde, filho?
E escuto: na mão (enquanto ele mostra o pé)
Olho (colocando a mão no ouvido)
A boca (dedinho apontando a barriga).
Já comecei a providenciar brincadeiras, desenhos e brinquedos que mostrem e ensinem o que é cada parte do nosso corpo, senão fico louca! Kkkk...
É a vida...



 
Mamãe desabafando, agora tá?!
Estou com o sono atrasado.
Passei boa parte da manhã numa coletiva mega animada (Uhuuuu!!!) na Delegacia da Receita Federal.
Tenho uma pilha de entrevistas para ouvir, editar e fechar uma matéria básica sobre os balanços da arrecadação tributária, das declarações do Imposto de Renda que foram entregues e das que já caíram na Malha Fina aqui na região de Bauru.
O quadro de "quase-infecção" do Isaac passou pra "sim é infecção" ontem e uma garganta doída é tudo pra deixar uma mama cheia de preocupação e de vontades.
Queria estar com o meu pequeno agora.
Queria estar deitada no sofá com ele, lendo "Os 3 porquinhos", cantando algumas cantigas e tomando um suco bem gostoso feitinho na hora.
Queria estar mais animada.
Queria continuar fazendo o meu trabalho sem me irritar com o barulho do fax.
(Ressalto que AMO o que faço, e faço com gosto, hein?!)
Queria ser duas, afinal.
Uma lá outra cá.

segunda-feira, 3 de maio de 2010

Programação da TV Cultura. Ainda dá pra salvar a TV!

Bom, esses dias de molho por causa da gripe me deixaram mais mole pra sair correndo pelo quintal, ou voando pelo condomínio até o parque.
Me rendi completa e totalmente a sala de TV de casa.
E Isaac, dodói também, louco por um chamego e um contato, e uma TV diga-se de passagem, aproveita cada segundo da falta de saúde desta mama gripada.
(ele fica me imitando nas fungações e espirros, e o pior, dá risada)
Tá, mas o que liberar pro pequeno assistir?
Temos uma infinidade de DVDs educativos em casa sim, mas e a programação da TV aberta? Dá pra encarar?
Sou fãzoca da TV Cultura desde sempre. A-do-ro o Júlio do Cocoricó e amém que Isaac entrou na onda.
Outra surpresa boa que tive esses dias é que eles passam Vila Sésamo, bem no comecinho da tarde, horário que o pequeno chega da escolinha sedento por atitíiiii alguma coisa.
E sabe que nessas tardes de espirro e cobertinha, descobri uma programação bem bacana.
Como não dá pra desgrudar o pequeno da frente da TV, já que ele não pode, nem tem conseguido ficar no sol, correr descalço, pisar na água, curtir o vento no quintal como de costume...
O “cineminha” lá em casa começa às 14h15 com Dora Aventureira. Uma graça de desenho. Mesmo não sendo pra idade do meu filhote, ele já interage com a animação e repete muito do que a Dora pede e conversa. É uma produção bem interativa, onde se fala algumas palavras em inglês e pede bastante atenção das crianças, tanto mental quanto fisicamente.

Depois, às 14h45 tem Vila Sésamo. Isaac é apaixonado pelo Baldo (Garibaldo) e já sabe o nome de todos os personagens. O programa é bem bacana, fala de sons, formas, brincadeiras, amizade, sinônimos e antônimos. Bem educativo e divertido.

Damos um tempo pra TV conversando sobre o que a Dora e o Botas fizeram. Cantamos as músicas da Vila Sésamo e, se ainda faltar papo, ligo de novo pra assistir o Cocoricó, que agora é na cidade, com novos personagens.

Outro programa que Isaac adorou na programação da Cultura, mas só passa de manhã, foi o Baú de Histórias. Bom de ver, de ouvir, de tudo. São dois atores de uma Cia de Teatro que se fantasiam, usam bonecos, marionetes, cantam, tocam instrumentos. Pena que só tem às 9h15.


As fotos foram tiradas do site da TV Cultura.

Vale a dica!

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails